segunda-feira, 27 de março de 2017

Resenha #50: Wolverine Arma X - Barry Windsor-Smith

    Oie meus "zamores", tudo de boa?
Eu sei que hoje não é dia de post, mas, minha internet tem estado muito temperamental, e ela simplesmente ficou zoada na quarta-feira e não esteve em seus melhores momentos nos últimos dias. Ainda não está lá essas coisas, mas, melhorou. Então, pra compensar a ausência de post na quarta e quinta, essa semana terá post todos os dias, yey! E para comemorar isso, nada melhor do que uma resenha, e hoje teremos o jubileu de ouro das resenhas, hahahah. A de número 50. Então, pra tornar isso mais que especial, bora pra uma HQ, pois, já tem um tempinho (exatamente dois meses) desde a última resenhada.


    Bora lá?






SINOPSE: Um violento andarilho com um passado misterioso torna-se cobaia de um experimento biotecnológico ultrassecreto. Logan, ex-membro das Forças Especiais do Canadá, é capturado por um grupo de cientistas e levado a um complexo de pesquisa nas Montanhas Rochosas Canadenses.
Lá, sob direção do brilhante, inescrupuloso e enigmático Professor, Logan é submetido a um agonizante processo que visa despertar seus poderes mutantes e transformá-lo em Arma X - um incessante e indestrutível gerador de caos com garras de adamantium retráteis e habilidade de se regenerar de qualquer lesão.
O Professor deseja possuir e controlar sua máquina mortífera. Para atingir seus objetivos, alia-se a cientistas brilhantes, Carol Hines, a secretária e o doutor Abraham B. Cornelius, inovador imunologista procurado pelo assassinato de sua esposa e filho.
Os três invadem e torturam a mente e o corpo de Logan. Com o ímpeto de metamorfosear homem em monstro, os cientistas subestimam a força inabalável de Logan. E os resultados podem ser catastróficos.
Para todos os envolvidos, a vida torna-se mais preciosa, e a morte, iminente.
Nasce um Frankenstein moderno.



    Gente, essa foi a história de origem mais da hora que eu já li, (ainda existe uma outra chamada Wolverine Origens, não confundam!) serio mesmo. Mexeu bastante comigo, me deu agonia em diversas cenas e fiquei revoltada na maioria da leitura. Wolverine sempre teve um passado nebuloso, por assim dizer. Se formos analisar o primeiro filme do Wolverine ou X-Men 2, vemos apenas uma pequena porção do que realmente foi a transformação dele. Agora aqui nesta HQ, temos a certeza que foi muito pior do que o filme nos mostra. Aqui gente, o autor começa a estória com um homem, Logan, um agente do Serviço Secreto Canadense quase falido que se aposenta forçadamente e bem antes do tempo, que se mete em um monte de brigas por estar quase sempre bêbado. Então, ele é capturado por homens desconhecidos que o levam até uma instalação militar em uma localização completamente desconhecida. São as instalações do Projeto X, um programa ultrassecreto que tem o objetivo de criar um assassino perfeito. Logan foi selecionado para ser essa arma por ter um passado conturbado e um físico invejável apesar de toda a bebedeira. 

     Dentro das instalações, os leitores são apresentados a três pessoas muito importantes: Carol Hines, a secretária de bom coração e empática, doutor Cornelius e o Professor - ambos detestáveis - e esses três são os responsáveis por tornar o homem na máquina de matar. O Professor coordena todo o processo, começando pelo fato de incluir adamantium em seu esqueleto. Só que as coisas não acontecem da maneira esperada, como o fato de que eles não atentaram ao fato de que uma quantia demasiada de adamantium foi inserida nos punhos de Logan. Apesar desse pequeno deslize, esse excesso de adamantium acabou por se tornar garras na Arma X, garras essas capazes de cortar aço. Após essa fase, o corpo de Logan se adapta ao novo esqueleto e os três precisam implantar memórias falsas e condicionamento mental para destruir o livre-arbítrio de Logan e controlar o mesmo.




    Mais uma vez as coisas não saem como planejado, e a arma mortal começa a ter consciência mesmo com todas as drogas e a confusão mental, afinal, ele possui o fator de cura o que o ajudou a obter novamente o controle de sua consciência, porém, suas memórias nunca puderam ser resgatadas. Após conseguir se libertar dos fios que o controlavam, Logan fugiu das instalações. Só que não. Ele achava que tinha fugido para a floresta, só que na verdade ele estava em uma espécie de cativeiro, onde precisaria sobreviver como um animal, o Professor queria muito que ele acreditasse que era um animal, e fez de tudo para que isso fosse possível...



    Vemos nessa HQ como finalmente Logan se torna Wolverine, de onde ele surgiu, quais foram suas lutas internas, o que ele precisou passar física e psicologicamente para se tornar quem se tornou. A maior parte da trama acontece dentro do laboratório mostrando passo a passo da transformação, a Arma X está sendo o tempo todo monitorado por Haines e os cientistas se mostram satisfeitos  com cada avanço do monstro que estão criando. 
    Confesso que em algumas situações eu fiquei bem confusa, rs, fora que as cores utilizadas para representar cada quadrinho nos deixa bastante confusos também. Muita mistura de cores em algumas partes, ausência quase completa em outras, muitas bolhas, causando no leitor uma certa confusão, mas, creio que foi proposital para que a reação fosse exatamente essa, o que me faz tirar o chapéu para o ilustrador. Smith - que muito fez para dar uma sequência lógica para o enredo - finalmente, mostra aos fãs como Logan se tornou Wolverine. Já disse outras vezes aqui, Wolverine não é um herói fófis como vimos nos filmes. Ainda não assisti Logan, mas, pelo que tenho visto é finalmente o Wolverine que nós quadrinheiros estamos acostumados. É o herói que não se importa, que fala palavrão - não que eu goste, ao contrário, detesto palavrões - que mata sem dó, dá em cima da mulher dos outros, um escroto mesmo. E ao ler essa HQ, eu entendi o motivo de ele ser tão selvagem, tão animal: ele foi criado para ser exatamente isso.

    Apesar de eu ter falado esse monte de coisa, posso garantir que não falei nada, ahahaha. Não dei spoilers, yey!




    E mais uma vez a Salvat nos traz um gibi com uma diamagração de capa perfeita! Eu adorei, por mais que esteja simples, não precisa dizer mais nada.

Então era isso, chuchus, amanhã eu volto!

Wolverine Arma X - Barry Windsor - Smith. Suuuuper recomendo!


Beijoooo! ^.~

10 comentários:

  1. ótimo review Cecília. É interessante ver a opinião de quem viu os filmes antes, pois ao retornar ao quadrinho pode-se comparar as adaptações com olhar novo. Prá quem leu o gibi no começo dos anos 90 isso foi um grande evento, com a bela arte do Barry Windsor-Smith, que já tinha mostrado seu talento nos X-men algumas vezes. Fico até grato que os filmes não mostraram o Logan matando um urso, aliás, a HQ ia mostrar o Logan matando muitos ursos, mas eles se contiveram. Vendo em retrospectiva, é realmente surpreendente que os X-men se tornaram tão populares assim, na época, o mundo só conhecia o Batman, o Superman e o Hulk. Agora, os cinemas lotaram para chorar pelo LOGAN. :) Estamos na linha do tempo certa no final das contas

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu fiquei péssima quando vi ele matando um urso, sabia? Nem tanto pelo urso (que feio, rs) mas por mostrar o que foi feito dele, como seu comportamento estava alterado. Acho que os mutantes surgiram nos.anos 1960, não foi? Realmente, o mundo era do Batman, rs. Obrigada por estar sempre por aqui, grande abraço!

      Excluir

  2. Cecy lindaaaaa ♥♥♥
    Apesar de não ser o meu preferido, gosto bastante do Wolverine :)
    Adorei a sua resenha e mesmo sem ler a HQ entendi um pouco mais sobre a vida dele. Também não assisti Logan, e apesar de já saber o que vai acontecer no final quero muito assisti :) e depois da sua resenha também quero muito ler essa HQ.
    ótima terça
    bjo

    Tati C.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi sua linda!
      Wolverine é um dos meus preferidos, apesar de ser um escroto, hahah. Gosto desse jeitão ogro dele. Eu não deixei ninguém me falar nada sobre Logan, estou em off! Leia sim, vai ser no mínimo uma experiência diferente!

      Beijooooo

      Excluir
  3. Oieeeeee Cecyyyyyy
    Huuummm eu aprendi aqui no seu blog que HQ é diferente da Marvel das telonas.
    Sou Marvel maníaca de filmes mas ainda não li uma HQ deles.
    Wolverine é um dos meus favoritos, então fico tipo assim chocada dele não ser mega fofiiiiinho rsrs
    Mas sua resenha mostra que ele foi "criado" para ser exatamente assim (não fofuroso) uma máquina de matar, insensível, nada crush.
    As ilustrações contam a história tb a partir do sensorial criando impacto visual.
    Ainda não assisti Logan pós apocalíptico :/
    Não estou preparada para me despedir do meu queridinho rsrs
    Sua resenha como sempre mara!
    Quero muito ler uma HQ!
    Bjs Luli
    https://cafecomleituranarede.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Luli!
      Eu entendo, muita gente fica indignada de ver um Wolverine não fofo nos quadrinhos, hahaha.
      Não fiquei mais querendo, leia mulher!

      Beijoooo

      Excluir
  4. Não tenho nenhum HQ e esse parece ótimo, bjocas.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Joyce!

      Eu também não, pego emprestado do marido da minha sobrinha, rs. Mas, leia uma quando puder!

      Beijoooo

      Excluir
  5. Antes de tudo tem de ser dito aqui o seu mérito e o seu diferencial, Cecília, em dar atenção aos quadrinhos. Como eu lhe disse na 2ª tertúlia, dentre nós nerds do g+, você tem sido a única – com a particularidade de ser uma mulher – a transpor as HQs prum outro nicho, o das leitoras de romance e apresentá-las como objeto igualmente apreciativo. Outro mérito seu, que mencionei na 1ª tertúlia, foi que, a partir do momento que decidiu resenhar gibis num espaço que, previsivelmente, esperam-se livros, você elevou e promoveu a 9ª arte ponta a ponta com a Literatura, dando-a o respeito artístico que somente quadrinheiros dão. Nas entrelinhas de cada resenha quadrinística aquia srtª está formando uma nova leva de leitores de comics, e leitores femininos, diversificando ainda mais e melhor o público dos quadrinhos. Seu trabalho é sem precedentes e eu muito lhe respeito por isso. Muito bem.

    Barry Windsor-Smith é um dos melhores desenhistas da vanguarda da Marvel, a partir do Conan. Ele ajudou a estabelecer um novo parâmetro de traço, nada uniforme como nas eras precedentes, arte suja, nevrálgica, sensorial, sombreada e rústica. Isso significa que você esteve certa: Windsor-Smith PROPOSITALMENTE compôs as quadrículas com a finalidade de uma colorização incômoda, sensorial, quase vertiginosa, para provocar no leitor as agonias visuais que Logan sentira em seu estado de espírito. Está vendo como você é uma ótima resenhista de HQs? É necessário também dizer que quando dizemos "[Logan] foi criado para ser uma máquina de matar", nós leitores temos de falar isso não como um ser fora da obra, e sim englobados por ela. Em termos, você que me lê agora e eu que digito aqui SOMOS/ESTAMOS TODOS SENDO CRIADOS PARA SERMOS ALGUM TIPO DE MAQUINÁRIO. Mulheres orgulhosas, exibidas, amáveis, maternais, homens vingativos, egolátricos, caridosos, carentes, crianças mimadas, adolescentes rebeldes, crentes/descrentes, trabalhadores e consumistas, ninguém escapa ao crivo da "arma-X" do que é viver numa sociedade como a nossa. Fomos programados desde nossos genomas, e mais programados ainda em nosso espaço social. A "Arma-X" da Marvel Comics é uma alegoria do que o mundo pode fazer a nós.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Bat-professor, como sempre me deixando encabulada com suas palavras... Eu fico.muito feliz quando.algumas das meninas aqui postam que estão.conhecendo, apredendi e até mesmo sentindo vontade de ler quadrinhos, uma vez que esse tipo de HQ especificamente é voltado para um público masculino - o que eu acho nada a ver, toda leitura é Lara todos os públicos. Obrigada por se dedicar a ler minhas resenhas meio bestas e dar sempre uma opinião positiva, acrescentar cada vez mais.
      Confesso que não tinha associado nossa sociedade como uma espécie de arma x, mas, faz todo sentido. Adorei!

      Excluir

Página Anterior Próxima Página Home
Layout criado por