segunda-feira, 12 de setembro de 2016

BEDS - Post nº 12 - Setembro Amarelo

    Olá, meus amores, vocês estão de boa?
Hoje enquanto sapeava pelo blog Loucura Por Leituras da Lethycia, me deparei com a postagem dela sobre o Setembro Amarelo. Confesso que não conhecia muito a respeito, mas li o post dela, comentei e pesquisei, achei super interessante. O Setembro Amarelo é a campanha sobre a prevenção do suicídio. Engraçado que esses dias eu falei a respeito do livro Os 13 Porquês e de alguns filmes com essa temática e eu nem sabia da iniciativa. Sei que não é o foco principal do blog, mas, não podia deixar de comentar sobre isso.

    "Às vezes tem um suicida bem na sua frente e você não vê", escreveu o motoboy que se atirou há alguns dias do 17º andar do Fórum Trabalhista de São Paulo, levando junto seu filho de quatro anos, deixando todo o país em choque. No site G1 (fonte da notícia aqui), eu li um pouco mais sobre essa iniciativa e encontrei alguns dados interessantes. Suicídio é algo tão pouco divulgado, gente! Enquanto eu fazia a resenha de Os 13 Porquês, eu pesquisei um pouco sobre suicídio e li várias notas de adolescentes que se suicidaram e fiquei horrorizada, de verdade! É algo muito mais frequente do que imaginamos.
   A OMS afirma que 90% dos casos de suicídio é prevenível, pois estão ligado sempre a psicopatas em potencial e depressivos que podem ser tratados, principalmente nos casos de depressão, afinal, pessoas deprimidas se isolam com maior facilidade, não gostam de interagir com os outros e a tristeza é persistente. Quem leu minha resenha de Os 13 Porquês, ou quem já leu o livro, nota que Hannah Baker era exatamente assim.


   Existem os Centros de Atenção Psicossocial - CAPS - em serviços que são oferecidos por universidades e entidades ligadas a psiquiatras e psicólogos. Eu era uma pessoa que tinha muito preconceito com psicólogos, mas, após sofrer um trauma muito sério, precisei de quem? De uma psicóloga! Tudo bem que o trabalho me impediu de continuar com o tratamento, mas, o tempo que fiz terapia foi bom, me fez muito bem. Os profissionais da saúde se costumam recomendar - com a autorização do Ministério da Saúde - que se recorra ao Centro de Valorização da Vida - CVV - não apenas para potenciais suicidas, mas, pessoas que sofrem de angústia, ansiedade, solidão e tudo o mais para atendimento. O CVV organiza desde 1962 gratuitamente um serviço de apoio emocional e prevenção do suicídio pelo telefone (141), Skype ou pelo chat (cvv.org.br). 

    As pessoas que trabalham com o atendimento não são terapeutas, mas oferecem algo que está perdido hoje em dia: um ombro amigo. Pessoas que estão dispostas a ouvir um desabafo sem julgar ninguém, sem palavras chave, frases de efeito, e o melhor, mantém tudo em sigilo absoluto. Hoje em dia tudo se resolve na análise justamente pelo fato de haver cada vez menos amigos. Hoje mesmo encontrei um amigo de adolescência no meio da rua. Começamos a conversar e mais de uma hora depois ele estava me pedindo desculpas por me alugar, afinal, nossa conversa acabou virando um desabafo da parte dele. Ele disse que não queria me envolver nos problemas dele, mas, ele sabia que o que ele me dissesse, ficaria entre nós. E fiquei pensando nisso o resto do dia: as pessoas estão cada vez mais egoístas e menos tolerantes umas com as outras. Como a Bíblia diz, "o amor de muitos se esfriará" (Mateus 24:12), e é verdade nua e crua: as pessoas não se amam mais. E, nesse meio tempo, existe alguém ali gritando desesperado por atenção, e sem ser reconhecido, acaba optando por tirar sua própria vida.


    Voltando a falar sobre a atendimento do CVV, aproximadamente 800 mil ligações por ano com pouco apoio ou divulgação nas mídias são recebidas, dando assim maior importância e ênfase nesse tão nobre serviço. Porém, suicídio é um assunto completamente ignorado, apesar de tudo. Acho que nunca assisti uma palestra ou algo do tipo, na escola não tive nenhum tipo de orientação, nada mesmo. E confesso que sempre achei que isso era algo longe do meu alcance. Até alguém muito próximo a mim falecer. Meu amigo do coração. Conheci a pessoa quando ele ainda era um menino de quatro anos, eu tinha uns doze, e eu era completamente apaixonada por aquele menino tão lindo que vinha no meu colo. Achava lindo ele falar que eu era a amiga grande dele, rs. Quando eu tinha dezoito anos, levava ele e os primos comigo para o clube de Desbravadores, falava que ele era meu filhinho. Quando ele já estava mais velho, adorava contar pra todos que me conheceu quando pequeno. Aos dezesseis anos me consolou quando soube do falecimento de meu pai. Ele estava morando na Capital há uns anos, e nosso contato ficou escasso, apenas quando ele vinha visitar a avó aqui no interior que nos víamos. Eu soube que ele estava mal, em depressão e usando drogas, e um dia a tia dele me ligou dizendo que ele tinha se jogado de uma ponte de três metros de altura. Foi encontrado pela polícia dois dias depois, todo quebrado, desnutrido e desidratado. Foi para o hospital e ainda sobreviveu alguns dias. A avó dele me disse que falou de mim para ele e que ele chorou ( e eu ao saber isso, chorei). No hospital, ele não falava nada, e estava com todos os ossos do corpo quebrados. Não morreu na tentativa de suicídio, mas dos ferimentos decorrentes. Fiquei chocada, chorei, estava arrasada! Foi quando pela primeira vez tive a certeza que isso pode acontecer com qualquer um mesmo!




    Isso não e assunto apenas de profissionais da saúde ou ONG's, todas as pessoas estão convocadas a vestir a camisa e tratar o suicídio como algo sério, encarar e fazer sua parte. Não que agora devamos ficar procurando por suicidas por aí, mas, podemos divulgar e levar essa iniciativa adiante. Enquanto lia Os 13 Porquês e A Lista Negra, fiquei pensando em meus alunos, cogitando a possibilidade de algum deles ter me enviado um sinal e eu não ter prestado atenção... Os dados são claros: aproximadamente 32 pessoas se matam todos os dias aqui em nosso país, e no mundo esse número chega a 800.000. Isso é muita gente! No dia 10 de setembro foi o Dia Mundial da Prevenção do Suicídio, eu sei que já passou, mas, acredito que isso não deve ser direcionado a apenas um dia, mas todos os dias devemos estar atentos aos sinais. O G1 ainda lançou um desafio: "Onde a mobilização a favor da vida cria redes de cuidado e atenção, esses números caem drasticamente. Vamos virar esse jogo? Depende de nós!" 



4 comentários:

  1. olá flor tudo bem?

    eu não sabia que setembro, é o mês amarelo, que representa a prevenção contra o suicídio, estou achando muito interessante , muito blogs e canais vestido a camisa, abraçando a causa. adorei o seu post e sua iniciativa. Linda já estou seguindo o blog pra não perder nada. adorei o seu conteúdo. E obrigada pela visita flor, espero te ver sempre lá beijos

    Taynara Mello | Indicar Livros
    www.indicarlivros.com

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi Tay, bem vinda! Eu fiquei bem surpresa também em conhecer mais sobre o Setembro Amarelo, afinal, é um tema muito tabu, as pessoas não gostam de falar. Que bom que gostou do meu cantinho, também adorei o seu estou seguindo já.

      Beijoooo

      Excluir
  2. Oiii Cecy! Infelizmente é um assunto que não se vê na TV, e com todos esses números gigantescos :( fiquei emocionada com o relato sobre seu amigo :/ achei que o seu post foi um passo pra conscientização das pessoas e talvez toque no coração de alguém que nesse momento esteja com essa vontade <3 Vou compartilhar lá no blog, com certeza!

    *Beijokas -Hellen Barros.

    www.apenasgiz.com.br

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Hellen!!! É verdade, é um assunto polêmico e pouco divulgado. A morte do Rafinha foi foi um golpe no meu coração, eu me lembro de receber a notícia a noite e no outro dia, enquanto eu estava no trabalho eu teria um intervalo grande entre uma aula e outra e pedi pra minha diretora me liberar para ir ao Velório Municipal que fica perto da escola que eu trabalhava, estava com o pé quebrado e fiz questão de ir dar um abraço na família, e foi quando a avó dele me contou a história toda. Ela me disse que enquanto ele estava no hospital, ela foi visitá-lo e falou assim: "Você lembra quando era pequeno e a Ciça te levava para o clube? Deixa ela saber o que você aprontou, ela vai ficar doida com você..." E disse que ao falar isso, ele chorou bastante. Nunca pensei que pudesse acontecer com alguém tão perto, sabe... ;(

      Obrigada por estar sempre por aqui, e será muito legal você compartilhar também, assim, fazemos uma grande corrente do bem!

      Beijoooo! =)

      Excluir

Página Anterior Próxima Página Home
Layout criado por